X

ODSs e Materialidade

O trabalho de definição dos ODS prioritários foi feito em parceria com uma consultoria externa e teve como objetivo relacionar as temáticas de sustentabilidade aos desafios socioambientais da Companhia, às oportunidades de geração de valor e aos impactos positivos para a CESP e seus stakeholders.
A priorização dos ODS foi resultado de um amplo trabalho de engajamento com o nosso público interno, que participou ativamente de discussões, workshops e estudos essenciais para entendermos onde a CESP está e qual o caminho que queremos seguir para chegar aonde queremos no futuro.

Foi uma construção a muitas mãos, com os seguintes processos:

Análises de posicionamento estratégico da CESP: estudo de documentos e entrevistas com executivos, levando em consideração dez critérios – estratégia, diretrizes,
oportunidades, desafios, público, governança, indicadores, investimento, objetivos e ações.

• Análise de benchmarks setoriais: avaliação de empresas do setor elétrico e seu posicionamento frente aos ODS, recomendações feitas pelo Índice de Sustentabilidade
Empresarial (ISE) da B3 e as correlações com o setor elétrico, segundo o estudo do Pacto Global para o Setor Elétrico.

• Engajamento do público interno: realização de encontros e workshops com a liderança da Empresa para conhecer e discutir os ODS, além da produção de materiais de comunicação para todo o público interno da CESP.
Após a realização desse trabalho, que contou com a participação de nossos funcionários em diversos níveis hierárquicos, funções e atividades, chegamos a dez ODS prioritários, sendo cinco a serem endereçados até 2023 e mais cinco até 2028.

 

 

Na medida em que a criação de valor das empresas e organizações migra do tangível para o intangível, em que a reputação e a marca, a capacidade de inovar e de se relacionar com os diversos públicos é mais valorizada do que parques industriais e ativos fixos, as empresas são confrontadas com inúmeros temas nas dimensões sociais, econômicas e ambientais.

Esses temas precisam ser abordados e geridos de forma adequada para definir quais deles são mais significativos para o negócio, a visão de mundo e o perfil de empresa que se quer ser. Nesse sentido, a definição do que é material, ou a construção de materialidade, é o processo que identifica e prioriza os temas que refletem os impactos mais significativos da Companhia e de seus stakeholders.

Discutir e aprender sobre os impactos econômicos, sociais e ambientais das organizações faz parte do desafio de construir
um mundo melhor e sustentável para as gerações atuais e futuras, pois cada empresa tem o seu próprio contexto e suas necessidades. Daí a importância de cada organização ter a exata noção de seus impactos por meio de sua matriz de materialidade.

Relatório Anual CESP 2020 10 E foi para definir essa matriz de materialidade, com os temas materiais, que a CESP conduziu, em 2020, um trabalho em parceria com uma empresa especializada.

Em consultas diretas e indiretas às partes interessadas – poder público, funcionários, lideranças, clientes, fornecedores, investidores e comunidades – e na revisão do contexto da sustentabilidade, foram definidos 18 temas iniciais, avaliados seguindo os princípios de materialidade da GRI (Global Reporting Initiative). Esses tópicos
foram discutidos internamente e resultaram em 12 temas materiais para a CESP para um ciclo de atuação de até três anos (até 2023):